sábado, 16 de março de 2013

Análise [7] - Sakurasou no Pet na Kanojo - Visual Novel de Anime dá (e muito) Certo Assim!


O final de 2012 foi uma época mágica para muitos fãs de animes devido ao tanto de lançamento que tivemos, tanto novas temporadas de séries famosas (Bakuman, Jormungand, To-Love Ru e Hiiro no Kakera) quanto os animes novos que estrearam naquela época (Little Busters!, Chuunibyou, K, Magi, Tonari no Kaibutsu-kun, Btoom! e tantos outros que não assisti/não acompanhei). Um bem curioso foi Sakurasou no Pet na Kanojo, produzido pela J.C. Staff (mesma de Little Busters! e outros animes como Ano Natsu de Matteru, Toradora e Toaru Majutsu no Index) que tem um visual bem bonito, várias personagens e uma história que começa bem bobinha, você não bota fé que aquilo vai evoluir e que não se passa de um anime de comédia romântica harém... mas com o passar dos episódios, muita gente se arrependeu do que disse, provando que um anime engraçado no começo pode se tornar um anime ambicioso, com várias lições de moral no meio, e uma história de amor que vai se desdobrando aos poucos.

O jogo de Sakurasou no Pet na Kanojo, lançado há mais ou menos um mês para PSP e Vita, conseguiu trazer o melhor dos dois mundos: a bela arte feita pela J.C. Staff com o roteiro bem detalhado da light novel original, e ainda colocando uma história relativamente simples, mas o suficiente para prender a atenção do jogador, além de contar com algumas adições bem interessantes em relação às demais visual novels lançadas para portáteis.

Mas chega de papo. Vamos à análise!

História e Rotas
O jogo têm várias CGs e eventos para todos os personagens principais, e se você gosta da série, vai querer ver todos eles. (e mesmo se não gostar, vai acabar gostando xD)
A história do jogo se passa após o primeiro arco do anime, que é a parte onde Sorata e todo o pessoal de Sakurasou fazem o jogo de Nyaboron para o festival da escola, mas num rumo diferente. Kanda Sorata, o protagonista do jogo, ainda com o seu sonho de ser um designer de jogos, fica sabendo de um novo concurso de desenvolvimento de jogos através de uma kouhai de sua escola, e também personagem exclusiva no jogo, Nakano Otoha. Com isso, ele tenta reunir todos os talentos da turma de Sakurasou para fazerem um último jogo antes dos veteranos Mitaka Jin e Kamiigusa Misaki se formarem e seguirem seus rumos individuais para as faculdades que têm as especializações que eles procuram seguir carreira, além de ajudar no sonho da Aoyama Nanami em ser dubladora profissional, ajudar na carreira de Shiina Mashiro como mangaká e com um pouco de ajuda de Ryuunosuke Akasaka na programação do jogo.

Até aí, nada de mais, é simplesmente o pessoal de Sakurasou fazendo mais um jogo... certo? ERRADO!

Curiosamente, Otoha acaba por entrar no grupo de Sakurasou para ajudá-los, mas uma rivalidade imensa entre este grupo e um grupo de programadores da mesma escola que Sorata e Nanami vai fazer com que nenhum dos lados queiram perder um para o outro e ver qual sonho será realizado e qual será destruído. Parece até que, ao jogar, você sente na pele tal rivalidade e se esforça ao máximo para conseguir o primeiro lugar, além de poder presenciar os vários momentos engraçados entre o protagonista e cada residente de Sakurasou.

Sobre as rotas, o jogo segue um padrão bem linear, sub-dividida em 4 períodos (planejamento, etapa alfa, etapa beta e o chamado Master Up), mas você basicamente tem três finais possíveis: Shiina Mashiro, Aoyama Nanami e Nakano Otoha, além de alguns bad ends no meio caso você não cumpra as metas estabelecidas em cada período e se você não ficar em primeiro lugar no concurso.

Traços, Trilha Sonora e Animação
Momentos engraçados não são poucos... e acredite, Sorata é um dos melhores protagonistas nesse quesito.
Os traços do jogo são um xerox dos gráficos do anime, o que eu achei bem bacana (não é por nada não, mas eu gostei dos gráficos da JC Staff para este anime). As personagens são bem desenhadas, tem quase que a mesma quantidade de detalhes de um episódio comum do anime, tem muitas CGs (muitas mesmo!), e apesar do lip-sync ser ridículo, não é algo que faça os demais aspectos do jogo deixarem de brilhar.

Quanto a animação, depende muito do que for considerar. Para os eventos normais do jogo, a animação é praticamente nula, apenas mostrando e ocultando diferentes personagens ou fazendo-as mudarem de expressão, além do lip-sync que falei anteriormente. Em alguns casos, quando um personagem enfrenta algum problema ou dilema na produção do jogo, os personagens mudam para um modelo em 3D, onde o comercial do jogo diz que é um 3D vívido e fluente. Eu esperava algo do mesmo nível de qualidade dos jogos de OreImo ou Haganai, mas infelizmente, o efeito 3D desses personagens é algo mal-feito e muito robótico. O lip-sync fica ainda pior, há bastante desproporção nas bocas e movimentos dos olhos das personagens e as animações dos personagens não são muito "realistas" por assim dizer. Isso me decepcionou e muito, mas por sorte, esses eventos são poucos e mal influenciam no rumo do jogo (só influencia no aumento de nível de intimidade com um dado personagem, para assim liberar mais CGs específicas).

A música é algo simples, não sendo horrível, mas também não sendo nada muito marcante. Algumas músicas em especial, como algumas que a Himemiya mostra ao Sorata para colocar no jogo, são bem melhores que a maioria, mas ainda assim, as músicas deixam o jogo no ritmo ideal, seja para os momentos engraçados, seja para os momentos de raiva, seja para os momentos de pressa, e seja para os momentos de tristeza,

Opinião
As personagens secundárias fazem várias aparições no jogo também, muitas delas notadamente engraçadas
O jogo seria tratado como a sua visual novel de qualidade abaixo da média se a análise terminasse aqui, certo? Pois é, só que temos outros fatores do jogo para cobrir antes de dar o veredito, e acredite, tudo faz o jogo ser melhor que você imagina. Primeiro vem o esquema de diretor do grupo, onde você deve planejar o que cada membro fará nos dias seguintes, até o prazo final, onde se deve ter todos os aspectos-chaves para passar. É algo incrivelmente bacana, pois são uma infinidade de opções para escolher até o dia de entrega do jogo final, lembrando bastante o que acontece num grupo amador de verdade: cada um faz a sua função, tem suas dúvidas que precisam ser esclarecidas antes de dar continuidade no seu trabalho, eles podem ficar doentes e não poderem trabalhar, e claro, temos os momentos em que eles se divertem juntos ou quando simplesmente uma conversa vai para um lugar totalmente diferente e imprevisível.

Se você não tiver uma boa base de japonês para saber o que cada um está fazendo ou falando, você pode sofrer bastante dos bad ends (que apesar de alguns serem engraçados, gera uma raiva de ter passado todo aquele tempo para não passar de uma certa etapa) e da linearidade do jogo, mas se você conseguir passar disso, você verá que o jogo se desenrola de uma maneira bem curiosa e imprevisível, tendo inclusive uns momentos bem tensos, como por exemplo, em um evento da Nanami onde ela não consegue passar em um teste para ser dubladora ou quando a Otoha é dada como traidora do grupo por vazar informações exclusivas do projeto de Sakurasou, mas no final, tudo acaba inesperadamente bem e ajuda você na hora de tomar diversas decisões no planejamento e nas raras escolhas que tem no jogo.

Ainda na mecânica de diretor, cada personagem tem dois parâmetros que refletem no progresso de seus trabalhos: uma barra indicando se o personagem está bem ou mal de saúde, sendo mais ou menos propício a ficar doente e incapaz de trabalhar, e uma barra de motivação, que quando maximizada, faz o personagem dobrar a sua eficiência e terminar a sua parte mais rápido (parece até vida real!). Apesar desses dois parâmetros poderem ser influenciados indiretamente ao descansar com eles ou ajudar nos afazeres de Sakurasou, os eventos que os personagens ficam confusos são totalmente imprevisíveis, o que pode causar algum incômodo quando, por exemplo, deve-se completar uma determinada tarefa, mas ter que parar para resolver os problemas desses personagens, já que eles não trabalham enquanto estão confusos.

O jogo é consideravelmente longo, durando fácil entre 15 e 20 horas, ou até mais caso tenha que voltar algum save ou caso queira liberar todos os eventos de todos os personagens... mas você acha que compensa liberar tudo? Se você achava que não, agora as coisas vão mudar, porque um dos pontos fortes do jogo são os seus extras, além de ter MUITOS eventos engraçados.

Só que não é simplesmente engraçado, é inesperadamente engraçado. São eventos que você não prevê, como quando a Mashiro esquenta sua calcinha no micro-ondas no inverno, ou quando a Misaki dá uma de jogar numa ilha deserta à lá Lost, ou quando a Nanami solta as suas frases de dialeto Kansai quando fica nervosa ou na dublagem de um tigre de pelúcia, ou quando Sorata ensina a Otoha a mexer no computador melhor e passa a Sengoku alertando para o Sorata não mostrar seus pornôs para ela, ou até mesmo num evento onde Sorata acorda e se depara com um tigre de verdade no seu quarto... é MUITO evento engraçado, fora umas piadas muito bem boladas envolvendo kanjis e pronúncias (como chamar o Akasaka de "Otoko no Ko", mas este "ko" como kanji de menina e fazendo ele vestir roupas de menina, ou de "Kurisumasu", de natal, com o "Kuri" como noz e a Misaki trazer um monte delas para comemorar) que, mesmo na hipótese de você não entender imediatamente a piada, você ri só pelas reações (super) exageradas do Sorata e nas personalidades típicas de cada personagem, como o jeito de falar da Misaki e as brigas entre a Shiina e a irmã mais nova de Sorata.

... e o que seriam esses eventos secretos? Ainda mais cenas inesperadas que aparecem nos momentos mais inoportunos (como quando você vai fazer as tarefas de Sakurasou, onde de vez em nunca ativa um evento secreto dependendo da motivação dos personagens), além de também liberarem CGs dos mais diversos tipos e até mesmo free-talks, que são comentários das próprias dubladoras originais do anime, parabenizando-o por completar o jogo e falando o que ela achou de participar do anime e suas primeiras impressões nas personagens, que também rolam uns comentários bem engraçados e inesperados. Pode não parecer muita coisa, mas o jogo se torna tão viciante com isso que dá gosto de liberar tudo que o jogo tem a oferecer.

Veredito Final
Nem o Akasaka se livra das peripécias.
 Pontos Fortes 
      *Grande número de CGs
      *Praticamente o jogo inteiro é dublado
      *As personagens e o protagonista são cativantes
      *A mecânica de trabalho como diretor do grupo
      *História consegue ficar viciante muito rápido
      *Muitas cenas engraçadas fazem você se amarrar no jogo
      *Vários eventos secretos e extras para liberar
      *Desfecho e finais não desapontam

 - Pontos Fracos
      *Péssima animação em 3D, animação em 2D poderia ser melhor
      *Muito linear, apenas influenciando o final na última escolha
      *Pode ser difícil entender as piadas sem um bom conhecimento do japonês e da cultura nipônica
      *Frustrante nas primeiras tentativas, quando não se cumpre metas ou não se sabe o que fazer
      *Eventos randômicos como membros doentes e confusos podem ser frustrantes caso queira liberar mais eventos de uma certa heroína em específico ou para desbloquear todos os extras

Nota: 8,0/10

Opinião final: Esse jogo é um achado, praticamente. Apesar dos seus defeitos, ele pega os melhores elementos do anime e da light novel, misturam num roteiro canônico e fazem o jogador se viciar nele quase que com perfeição. Não digo que é um daqueles jogos que você terá o prazer que jogar várias vezes porque a grande maioria dos eventos se repetem, mas para os eventos que você ainda não viu e os secretos, vale muito a pena correr atrás deles.

E olha, faz tempo que não joguei uma visual novel assim, que me prendeu tanto no jogo ao ponto de sentir na pele tudo o que os membros do grupo passavam, rir nas diversas cenas e interações deles, me preocupar com a colocação do jogo à cada semana e planejando como prosseguir para tentar ganhar o concurso, e claro, vibrar quando o jogo acaba sendo o vencedor e presenciar o grande e engraçado momento de premiação de Sakurasou, além de um discurso muito imprevisível de Sorata no final e, mesmo após rolar os créditos, o grande final da personagem que você escolheu, com aquele final romântico que você torce tanto para acontecer e explode de alegria ao ver que o casal termina feliz para sempre, com ainda mais planos e planos mais ambiciosos para o futuro.

Se você gosta da série, é um must-play, mas se você não gosta ou não tem tanto conhecimento de japonês, pode ser que você ache o jogo estranho, mas ainda assim, se puder dar uma jogada de leve, é um jogo que vale a pena o tempo gasto... e se você dropou o anime, seja lá por qual motivo, uma chance para você aproveitar do melhor de Sakurasou e companhia!

Vale a pena comprar esse jogo?
Eu... recomendaria até, se você gosta da franquia e do universo de Sakurasou... uma pena que jogos orientais sejam tão caros de importar (fora que o preço de catálogo deles já são mais caros de qualquer jeito). Claro, partindo do princípio que você gosta de visual novels e está disposto a abrir o seu dicionário de japonês para os diálogos mais complexos (especialmente dos Akasaka e da Maid-chan), pois caso você ainda esteja começando a descobrir o maravilhoso universo de visual novels, tenho outros jogos para recomendar aos iniciantes antes disso (y).

O final vai fazer você roer suas unhas, mas não vai te decepcionar em nenhum aspecto... à menos que você espere "aquilo" de um VN all-ages, né...
E com isso terminamos mais uma análise de visual novel. Espero que tenham gostado, e tenham uma boa semana!
Out.

3 comentários:

  1. uma pergunta o anime vai continuar

    ResponderExcluir
  2. Até daria, mas infelizmente não se houve notícias de uma segunda temporada da série até hoje.

    ResponderExcluir